Colesterol, dicas alimentares: Respostas da Doutora

Respostas da Doutora Sonia feita por usuários de Orientações Médicas, sobre:

 

Colesterol / Dicas alimentares / Sintomas de prostatismo

 

Colesterol

O colesterol é um tipo de gordura produzida pelos tecidos orgânicos do nosso corpo, em especial o fígado, e é transportado no sangue por “pacotes” chamados lipoproteínas. Há o “pacote” HDL – lipoproteína de alta densidade – conhecido como bom colesterol, por remover a gordura da corrente sangüínea e há o LDL – lipoproteína de baixa densidade – conhecido como mau colesterol, por distribuir a gordura por todo o organismo. É justamente esta fração que está elevada quando se diz que uma pessoa tem colesterol alto. O colesterol pode ser prejudicial por três motivos: devido a sua quantidade no sangue, devido a problemas nas proteínas específicas que o transportam ou, ainda, devido a alguns transtornos nos receptores celulares que facilitam o seu metabolismo. Se a gordura sobrar na circulação, irá ficar depositada nas artérias, que com o tempo, poderão entupir. Se isso ocorrer numa artéria do coração, a pessoa terá um infarto do miocárdio, se for no cérebro, terá um derrame. Existe uma predisposição hereditária para o colesterol alto. Além disso, a obesidade, sedentarismo, alimentação rica em gorduras saturadas e pobre em gorduras poliinsaturadas (óleos vegetais) e fibras também contribuem para a elevação do colesterol. Quem tem baixa concentração de hormônios tireóide, ou diabetes não controlada também tem propensão a colesterol alto. A concentração ideal de colesterol total é por volta de 140 miligramas por decilitro, mas até 225 é considerado um valor normal. Além do colesterol total, é muito importante analisar a taxa dos dois tipos de colesterol. O valor do HDL (colesterol bom) por sua vez deve apresentar taxa superior a 40 miligramas por decilitro, e o LDL (colesterol ruim) deve ter uma taxa inferior a 130. Através de exame de sangue pode-se identificar os níveis de colesterol total e das frações LDL e HDL, além de taxas correlacionadas como LDL/HDL e colesterol total/ HDL. O que fazer? 1. Atividade física regular: você não precisa se exercitar todos os dias, o importante é que mantenha sempre a mesma freqüência. Estudos mais recentes demonstram que as pessoas se sentem mais felizes quando estão praticando uma atividade que elas gostam. Se você não é adepto à caminhada, existem muitas outras alternativas, como a dança, a hidroginástica, etc. O importante é que você sinta prazer naquilo que está fazendo, para que consiga manter uma freqüência. 2. Dieta adequada com alimentos ricos em fibras e pectina (cereais integrais, frutas e verduras) e óleos insaturados (oliva e canola). Existem hoje no mercado diversos produtos naturais, como a soja, que está comprovado cientificamente que previne e cura diversas doenças. 3. Evite principalmente o consumo de ovos, gordura animal, manteiga e outros óleos que se solidificam em temperatura ambiente. Há várias maneiras de se preparar um alimento que diminuem consideravelmente o nível de calorias. 4. Conheça o que é recomendável e o que não é, em relação à alimentação: Não recomendável: manteiga, banha, toucinho; creme de leite, leite condensado, sorvetes, queijo amarelo; pão branco; gemas; conservas, azeitonas; frituras em geral; castanhas; carnes gordas; conservas de peixe em óleo e todos os tipos de mariscos; bebidas com açúcar e alcoólicas. Recomendável: azeite, óleo de girassol, óleo de milho, pasta de soja; leite magro, iogurte magro, queijos magros; cereais integrais, sucos naturais e chás. Fonte: www.sabido.com.br
 

Dicas alimentares

Para ajudar a desenvolver hábitos mais saudáveis: comer sempre a metade do que gostaria de comer, aumentar o número de refeições diárias (5 ou 6), comendo menos e dando mais importância às verduras, legumes e frutas crus. Cuidado com manga, caqui e abacate, eles engordam, não abuse. Usar alimentos desnatados, evitar o açúcar e os alimentos que o contém, evitar a gordura animal (carne de porco, carne de vaca gordurosa, torresmo, pele de frango, maionese, frituras, embutidos, etc – todos nós sabemos o que não devemos comer), tomar muita água (esse é o único alimento que não contém calorias) fora das refeições (antes ou depois), evitar refrigerantes e bebidas alcoólicas e evitar comer nos intervalos das refeições. Para que isso dê certo a pessoa precisa também fazer exercícios regularmente, ou seja, gastar as calorias armazenadas. Os exercícios devem ser de preferência aeróbicos (caminhada, natação, hidroginástica, corrida leve) e devem ser feitos de 30 a 45 minutos pelo menos 3 vezes na semana. Procure uma atividade que você goste de realizar.
 

Sintomas de prostatismo

Procure um urologista se tiver sintomas tipo: atraso para iniciar a micção; esforço para finalizar a micção; prolongamento do tempo de micção; jato miccional entrecortado, dividindo a micção em 2 ou mais tempos; maior dificuldade para urinar com a bexiga cheia; bexiga palpável (devido à retenção urinária); gotejamento ao final da micção; polaciúria (aumento do número de vezes que urina); urgência miccional; presença de sangue na urina; ardor ao urinar; aumento da freqüência miccional durante a noite.
 
Referências:

  • Programa de Educação a Distância de Medicina Familiar e Ambulatorial – PROFAM – 8 módulos, entre 2002 e 2003, diferentes gráficas, Argentina.
  • Medicina Ambulatorial: Condutas de Atenção Primária Baseadas em Evidências, 3ª edição, Bruce B. Duncan, Artmed, 2004
  • Medicina Interna, Harrison, 2 volumes, 8ª edição, Guanabara Koogan, 1980, Rio de Janeiro
  • Blakbook Clínica Médica, Ênio Roberto Pietra Pedroso e Reynaldo Gomes de Oliveira, 1ª edição, Blakbook Editora, 2007, Belo Horizonte
  • Guide Familial des Medecines alternatives est ládaptation française de Family Guide to Alternative Medicine, publie par The Reader’s Digest Association Limited, London, 1991.
  • Manual de Matéria Médica Homeopática, sintomas-guia e características dos principais medicamentos (clínicos e patogenéticos), Willian Boericke, 1997, Robe Editorial, São Paulo
  • Patologia do Trabalho, René Mendes, Editora Atheneu, 1995, Rio de Janeiro
  • Manual de Medicina de Família e Comunidade, Ian R, mcWhinney, 3ª edição, 2010, Artmed, Porto Alegre, RS

Share on Facebook0Email this to someoneShare on Google+0Tweet about this on Twitter0

Talvez você se interesse também por...