Orientações Médicas
Prevenção é saúde. Artigos médicos, textos e notícias.

Enxaqueca – fatores desencadeantes

Enxaqueca tem mais de um fator desencadeante, veja:

Pacientes que têm enxaqueca parecem ter neurônios mais sensíveis, que se tornam cada vez mais responsivos à estimulação nociceptiva (estímulos agressivos) e não nociceptiva (estímulos não agressivos). Como resultado, uma grande variedade de situações podem agir como gatilhos para o surgimento de uma crise de migrânea.

enxaqueca vários fatores desencadeantes

Em um estudo retrospectivo de 2007, realizado com 1.750 pacientes no Centro de Cefaleias de Atlanta, EUA, aproximadamente 75% relataram ter pelo menos um conhecido gatilho para as crises agudas de enxaqueca. Os mais comum em ordem decrescente de frequência eram:

  • Estresse emocional (80%)
  • Variações hormonais nas mulheres, como aquelas que acontecem durante o ciclo menstrual ou gravidez (65%).
  • Jejum (57%).
  • Variações climáticas (53%).
  • Dormir demais ou dormir de menos (50%).
  • Exposição a odores fortes, tais como perfumes, gasolina ou produtos de limpeza dores (44%).
  • Quadros de dor no pescoço (38%).
  • Exposição à luz forte (38%).
  • Consumo de álcool, principalmente vinho tinto (38%).
  • Tabagismo (36%).
  • Alterações recentes no padrão habitual do sono (32%).
  • Exposição ao calor (30%).
  • Alimentos específicos (27%).
  • Exercício físico (22%).
  • Atividade sexual (5%).

Além dos fatores listados no estudo, ainda há outras situações frequentemente associadas ao surgimento das crises de enxaqueca:

  • Medicamentos (por exemplo: nitroglicerina, reserpina, hidralazina, ranitidina e contraceptivos orais).
  • Trauma na cabeça.
  • Náuseas.
  • Estímulos frios, como água gelada ou sorvete.
  • Sedentarismo.
  • Locais barulhentos.

ALIMENTOS QUE PODEM DESENCADEAR CRISES DE ENXAQUECA

Certos alimentos e aditivos também podem ser potenciais  gatilhos da enxaqueca. Os mais descritos são:

  • Cafeína.
  • Aspartame.
  • Sacarina.
  • Glutamato monossódico (Ajinomoto).
  • Frutas cítricas.
  • Alimentos que contenham tiramina, como alguns tipos de queijos envelhecidos e bebidas alcoólicas fermentadas.
  • Carnes que contenham nitritos, como linguiça, salame, salsicha, presunto e bacon.

É importante destacar, porém, que os grandes estudos epidemiológicos nunca conseguiram comprovar de forma inequívoca a relação entre dietas específicas e a enxaqueca, tanto de forma positiva quanto negativa. No entanto, os pacientes que identificam determinados alimentos como gatilhos para suas crises devem ser orientados a evitá-los.

Para saber mais sobre a enxaqueca, acesse o seguinte artigo: ENXAQUECA – SINTOMAS, CAUSAS E TRATAMENTO.


Dr. Pedro Pinheiro

Dr. Pedro Pinheiro – Médico especializado em Clínica Geral e Nefrologia com mais de 15 anos de prática médica ambulatorial e hospitalar. Autor de mais de 1000 artigos publicados na Internet sobre saúde em língua portuguesa e espanhola.

Formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Especialista em Medicina Interna e Nefrologia pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). Títulos reconhecidos pela Faculdade de Medicina do Porto e Colégio da Especialidade de Nefrologia de Portugal.

Link da matéria: ENXAQUECA – SINTOMAS, CAUSAS E TRATAMENTO

Comentários estão fechados.