Próstata: câncer e as principais doenças.


Sintomas e as principais doenças da próstata

A próstata é uma glândula masculina, que pesa cerca de 20 gramas, e secreta fluidos que compõem parte do sêmen. Localiza-se logo abaixo da bexiga, envolvendo uma parte da uretra. As principais doenças que acometem a próstata são:

as principais doenças de próstata e câncer de próstata
as principais doenças que acometem a próstata
  1. Hiperplasia Benigna da Próstata (HPB) – que representa o crescimento de um adenoma (tumor benigno), em uma das partes da glândula;
  2. Prostatites  – processos inflamatórios e infecciosos;
  3. Câncer de Próstata.

Hiperplasia Benigna da Próstata (HPB):

É a doença mais comum do homem. Representa o crescimento nodular de uma das regiões da próstata. Sua incidência aumenta progressivamente com a idade, ocorrendo em 40 % dos homens a partir dos 50 anos e em 90 % daqueles com 80 anos.

Este crescimento comprime a uretra, causando obstrução mecânica ao fluxo da urina, o que leva à dificuldade para urinar. A urina estagnada na bexiga favorece o surgimento de infecção urinária e formação de cálculos.

O esforço para urinar, em consequência da obstrução ao fluxo urinário, aumenta a pressão no interior da bexiga e provoca o aumento de suas camadas musculares. O aumento da pressão dentro da bexiga se transmite aos uréteres e aos rins, podendo levar à doença chamada hidronefrose e culminar com um quadro de insuficiência renal.

prostatite
Hiperplasia Benigna da Próstata (HPB)

HPB pode ser divididos em dois grandes grupos:

  1. Sintomas Obstrutivo, decorrentes da obstrução ao fluxo urinário, tais como: diminuição da força do jato urinário; esforço para urinar; interrupção do jato durante a micção; gotejamento; sensação de esvaziamento incompleto da bexiga.
  2. Sintomas Irritativo, devidos à irritabilidade da bexiga : urgência para urinar; dor no baixo ventre; diversas micções noturnas; diversas micções, em um curto espaço de tempo, com saída de pequena quantidade de urina em cada uma delas.

Também pode ocorrer sangramento junto com a urina e infecção urinária.

No Exame Físico, é imprescindível o Toque Retal que fornece informações sobre o volume, consistência, presença de irregularidades, limites, sensibilidade e mobilidade da próstata.

Exame de Urina evidencia a presença de sangramento e/ou infecções.

Exames de Sangue, tais como: ureia e creatinina, permitem avaliar o comprometimento da função renal. A dosagem do PSA (uma proteína chamada Antígeno Prostático Específico) é importante para a exclusão de possíveis tumores malignos.

Ultrassonografia permite avaliar a forma e a densidade da próstata, bem como a presença de resíduo elevado de urina na bexiga, após a micção.

Urografia Excretora tem sua indicação quando ocorrer sangramento na urina e como complemento para melhor avaliação de alterações observadas na ultrassonografia.

Quando necessário podem ser realizados ainda:

  1. Uretrocistografia – exame radiológico, com introdução de contraste através da uretra.
  2. Uretrocistoscopia – exame que permite a visão da uretra e bexiga, através de instrumentos óticos introduzidos pela uretra.
  3. Biópsia da Próstata – coleta de fragmentos do tecido prostático, através de punção trans-retal.
  4. Estudo Urodinâmico – avaliação das contrações da bexiga e alterações do fluxo urinário durante a micção.

O tratamento da HPB pode ser clínico ou cirúrgico. A seleção do tratamento é feita tendo em vista as condições clínicas do paciente, os danos causados ao aparelho urinário e a gravidade dos sintomas.

Pacientes com sintomas leves e sem complicações devem ser observados, com acompanhamento anual.

Nos pacientes com sintomas moderados está indicado o tratamento medicamentoso.

 

Em pacientes com sintomas graves, o tratamento cirúrgico é a opção recomendada. O tratamento cirúrgico padrão da obstrução do fluxo urinário por HPB é a chamada ressecção transuretral da próstata ou a prostatectomia supra-púbica.

O tratamento cirúrgico está indicado quando ocorrer:

  1. Retenção urinária persistente e refratária ao tratamento clínico.
  2. Infecções urinárias frequentes.
  3. Sintomas clínicos graves.
  4. Dilatação do sistema urinário.
  5. Sangramento urinário persistente.
  6. Associação de cálculos ou divertículos na bexiga.
  7. Ressecção Trans-uretral da Próstata (RTUP): consiste na retirada de fragmentos do tecido prostático, através de instrumental introduzido pela uretra, desobstruindo o fluxo urinário.
  8. Sendo menos traumática que a cirurgia aberta, propiciando menor tempo de hospitalização e recuperação mais rápida do paciente, é o método de preferência para o tratamento cirúrgico da HPB.

Prostatectomia Supra-púbica: trata-se de cirurgia aberta, onde a retirada de adenoma é realizado através de uma abertura feita na bexiga. As indicações da prostatectomia supra-púbica são as seguintes:

  1. Próstatas muito volumosas (acima de 80 – 90 g).
  2. Presença de divertículos ou cálculos na bexiga.
  3. Estenose uretral extensa.
  4. Problemas ortopédicos que impossibilitem a colocação do paciente na posição adequada para a RTUP.

 

Câncer de Próstata

Tumor maligno na próstata
Câncer de próstata

A frequência do câncer de próstata aumentou de forma explosiva nos últimos anos, representando, atualmente, o câncer que mais frequentemente acomete o homem.

Sua incidência aumenta com a idade atingindo quase 50 % dos indivíduos com 80 anos. Todavia, sua evolução é lenta e a grande maioria de seus portadores, provavelmente, virão a falecer de outros motivos que não o câncer de próstata.

A busca do diagnóstico precoce, visando um tratamento curativo, assume fundamental importância e deve ser realizada através de exame preventivo, anual, em todos os homens a partir de 45 anos de idade, independente de apresentarem ou não sintomas. Naqueles que possuem história de incidência deste câncer na família, o exame preventivo deverá ser iniciado aos 40 anos.

Detecção do Carcinoma Prostático:

Toque retal

Próstata toque retal
Toque retal

O exame digital da próstata é o método mais antigo, mais barato e ainda o mais usado para levantar suspeitas de câncer de próstata.

Dosagem do Antígeno Prostático Específico (PSA)

O PSA é uma proteína secretada pela próstata. O aumento da taxa de PSA no sangue, excluídas as causas benignas desse aumento, pode indicar a presença de câncer de próstata. Elevações extremamente expressivas sugerem o comprometimento metastático do tumor.

As causas benignas de aumento do PSA são:

  1. Hiperplasia prostática benigna.
  2. Massagem prostática recente.
  3. Prostatite.
  4. Retenção aguda de urina.
  5. Biópsia prostática por agulha.
  6. Ressecção trans-uretral da próstata.

Ultrassonografia da Próstata – é um exame ultrassonográfico, que pode evidenciar o aumento de volume da mesma, alterações de sua consistência e a presença de nódulos. A Ultrassonografia trans-retal permite uma avaliação mais acurada da próstata.

Biópsia – é a coleta de fragmentos do tecido prostático, através de punção por uma agulha especial, confirma o diagnóstico da lesão.

O tratamento do câncer de próstata varia de acordo com o tipo de tumor e estágio em que foi diagnosticada a doença. As diversas possibilidades de tratamento, mais adequadas para cada caso, devem ser discutidas entre médicos e pacientes e compreendem:

  1. Prostatectomia radical – retirada cirúrgica de toda a próstata e tecidos linfáticos adjacentes.
  2. Bloqueio hormonal – o crescimento do tumor é contido através de terapia medicamentosa.
  3. Orquiectomia – o crescimento do tumor é contido através do efeito hormonal provocado pela retirada dos testículos.
  4. Radioterapia – está indicada em determinados casos.

 

Para ler mais: Urologia – Dr. Paulo de Almeida Rocha


Referências:

  • Programa de Educação a Distância de Medicina Familiar e Ambulatorial – PROFAM – Entrega VII, Cap. 54, 2003, IdeoGráfica, Argentina.
  • Medicina Ambulatorial: Condutas de Atenção Primária Baseadas em Evidências, 3ª edição, Bruce B. Duncan, Artmed, 2004.